domingo, 5 de abril de 2020

Jesus, o artilheiro de Deus!

              Wilson Cruz, conhecido como JESUS, é natural de Monsenhor Paulo e começou jogando na zona rural, lugar conhecido como Esmeril, no Sítio Vieiras.

Veio para Varginha em 1988, pra escolinha do Flamengo, onde já conquistou o primeiro título de campeão no primeiro ano, com o Professor Paulo Gabriel, que se tornou seu padrinho por duas vezes, de crisma e de casamento. “Tenho muito orgulho e respeito pelo Paulinho, sendo um dos meus ídolos, e meu outro ídolo como jogador foi Romário, o rei da pequena área”, disse.

Wilson foi campeão em todas as categorias de base, mirim, infantil, juvenil e juniores.  Foi campeão também pelo Botafogo de Varginha e Sport Clube Varginha, também na base.

- Já com 16 anos conquistei meu primeiro título do Amador pelo Rio Branco, já sendo um dos protagonistas da equipe que contava com vários craques. Tenho em Varginha desde então 9 títulos amador, cheguei em 11 finais, fui 6 vezes artilheiro da competição, sendo 5 vezes consecutivas. 

 Wilson é também recordista de gols em uma mesma partida, 13 gols! Jogo Botafogo 13x1 Petrópolis. “Ano este que fomos vice campeões do Bingo Joia Rara, sendo está uma das grandes frustrações da minha vida no futebol, pois fui artilheiro com 32 gols, destaque do campeonato, mas na final não fiz um bom jogo, perdemos o título e a imprensa da época me criticou muito, falando que eu era um jogador amarelão, pipoqueiro. No fundo, isso foi um grande aprendizado, pois passei a treinar mais, dedicar mais, me esforçar mais, e isso tudo me fez crescer e me tornei um dos jogadores mais vencedores e goleadores do futebol de Varginha”.

Já recebeu várias homenagens, de diversos meios de comunicação, órgãos de imprensa, de vários clubes e treinadores, inclusive de equipes rivais do futebol amador de Varginha.

Regionalmente, é tetracampeão SUL MINEIRO, 3 vezes por Varginha, 2 VEZES artilheiro Sul Mineiro, 1 vez vice-artilheiro e 1 vez destaque.

Realizou o sonho de jogar profissionalmente no VEC em 2002, onde também foi artilheiro, jogando 3 Campeonatos Mineiros e uma Taça Minas Gerais. Jogou ainda no Atlético de Três Corações, Campeonato Mineiro de 2004. “Inclusive, no meu jogo de estreia no ATLÉTICO contra a TOMBENSE, um fato curioso aconteceu, devido a grande rivalidade na época, entre VEC e ATLÉTICO TC, na hora do anúncio da  escalação recebi uma grande vaia da torcida do Atlético ao anunciar meu nome, pois sempre fiz gol contra eles jogando pelo VEC. Mas graças a Deus, aos 7 minutos do primeiro tempo, fiz o gol e a torcida se acalmou (kkk), ganhamos aquela partida por 2x0”, conta. 

            - Gostaria de agradecer aos meus pais em especial, pois fizeram de tudo para que eu realizasse meu sonho de jogar profissionalmente, saíram da roça sem nada e vieram pra Varginha pra me fazer feliz; agradecer também ao Paulo Gabriel por ter se tornado neste período um segundo pai pra mim.

            Wilson agradece também a todas as equipes que lhe permitiram vestir suas cores: “defender seus emblemas, representar suas tradições, sejam elas no amador ou profissional, foi uma honra vestir cada uma destas camisas. Agradecer também a todos os companheiros que deram a honra de jogar junto, a todos os adversários que respeitosamente nós enfrentamos”.

            E aos jovens, um conselho: “futebol é vida, é aprendizado, é interação, é cumplicidade, é competir sem agredir. Um dia se vence, outro se perde; faz parte, futebol é uma magia que nos encanta pra vida toda”. 

            Para ele, a emoção de ter o reconhecimento de todos os times de Varginha, ser considerado um dos melhores atacantes, goleadores de todos os tempos de Varginha é uma honra ímpar, um sentimento que não tem preço. “Tenho admiração por todas as equipes e treinadores de Varginha, montar uma equipe é muito difícil, principalmente no trabalho com a base, são verdadeiros guerreiros, pois é de lá que vem o futuro de nosso futebol de Varginha”.

            - Obrigado a todos!!! E recebam um abraço especial meu... do JESUS, ... ARTILHEIRO DE DEUS... como dizia o saudoso Giovanni Goulart, narrador Itatiaia que teve em sua linda história de narrador, um gol meu como o último narrado por ele antes de ir para junto de Deus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário