quinta-feira, 2 de abril de 2020

Brenda Sarto conta sua história no judô


Brenda Stephani da Silva Sarto
14 anos
Judô

Como começou a praticar?
- Comecei na Semel aos 4 anos, onde praticava diversos esportes: basquete, natação, jazz e ginástica rítmica. Passei um ano tentando me adaptar em algum desses, mas apenas me encaixei na ginástica. Aos 5 anos, me interessei pelo judô, e vi que estava no meu devido lugar quando vesti meu primeiro kimono!

Fale sobre a primeira competição que participou:
- A minha primeira competição foi na cidade de Itajubá, e senti as melhores sensações quando pisei no tatame: adrenalina, nervosismo e ansiedade. Mas a melhor mesmo foi tocar na medalha pela primeira vez e sentir a gratidão de estar no caminho que sonhei...

Títulos:
- Quando completei 11 anos me registrei na “Federação Mineira de Judô - FMJ” para representar meu clube : Cres Judô Varginha e já iniciei a minha caminhada de atleta e desde meu primeiro ouro tenho sempre buscando mais a cada treino e cada competição , com muito esforço e dedicação obtive os seguintes resultados:
• Campeã Torneio início: 2016, 2018 e 2019
• Vice-campeã Torneio início: 2017 e 2020
• Campeã Brasileira Regional 3: 2019
• Vice-campeã Brasileira Regional 3: 2018
• Campeã Mineira: 2017, 2018 e 2019
• Vice-campeã Mineira : 2016
• Tricampeã do JEMG (Jogos Escolares de Minas Gerais)
• 3ª Lugar Campeonato Brasileira Final: 2019
 
LINK
Decepção?
- Convocada para participar do Meeting, campeonato no qual os atletas competem para fazerem parte da Seleção Brasileira de Base ... Mas não tive o resultado esperado!

Agradecimentos:
- Sou grata primeiramente a Deus, minha família, sensei Lucas, sensei Rodrigo e o sensei Robert, meus colegas de treino, patrocinadores Kescia nutricionista, Maxwel Fisioterapeuta e Colégio Batista.

Alegria:
- Entrar no tatame e conseguir executar tudo aquilo que treinei e estudei sobre o adversário me deixa ainda mais feliz, mesmo com a derrota vi que entrei e dei o meu máximo.

Mensagem:
- Minha frustração é não sair nada como o esperado...

quarta-feira, 1 de abril de 2020

Alexia conta sua história

Nome: Aléxia Amazilia Domingues Rodrigues
Apelido: Pepe, Modelo
Idade: 18 anos

Eu já pratiquei vários esportes, um deles foi a ginástica, onde pratiquei por quase 9 anos, mas, hoje sigo o caminho do futebol.
O futebol, comecei com meus 10 anos em uma escolinha de futsal feminino que a SEMEL tinha, tive o interesse, pois, jogava bola com meus primos na rua.
Com 14 anos participei do primeiro campeonato de futsal “Lidae Sub15”, por ser muito nova, foi uma alegria pra mim participar deste campeonato. Minha primeira medalha foi em 2016 na 3°Copa Lidae de Futsal Sub15, onde ficamos em 3°Lugar.
Com o passar do tempo, comecei a jogar futebol de campo na SEMEL com os meninos e me descobri nesse lugar, vi que o campo de futebol era o lugar onde eu queria estar e seguir meu caminho, a partir daí, me dediquei ao máximo, passei por vários clubes grandes, onde sempre levarei comigo toda minha dedicação por ter estado em cada um deles. 
Minha maior alegria é que muitas vezes tentaram me derrubar e me fazer desistir, mas, como eu sempre falo, a minha força de vontade e minha energia nunca falham e nunca falharão, pois, é dentro do campo que esqueço tudo que há ao meu redor. E minha maior decepção é ver pessoas que sempre “mostraram estar ao meu lado”, torcerem contra mim.
O meu futuro quem decide sou eu, então se eu, Aléxia Rodrigues, escolhi estar no mundo do futebol é porque estou disposta a enfrentar tudo que vier pela frente e, assim, sigo meu caminho, batalhando, lutando, sofrendo, chorando, acreditando e vencendo.
Hoje, gostaria de agradecer mais um vez o meu irmão Alexis, meu pai Carlos e minha mãe Telma, e também ao Wendel e Lourenço meus professores, por sempre me apoiarem e cobrar o que deve ser cobrado de mim, porque sem eles e sem todas as pessoas que me ajudaram, eu não sou ninguém, falta muito pra eu ser alguém na vida, mas, se eu já conquistei pelo menos um pouquinho na minha vida, foi graças a eles.

LINK

Diego Souza conta sua história


Nome: Diego Souza
Idade: 34 anos
Esporte: Futebol

Como começou a praticar?
- Foi na escolinha do Roma, tinha 7anos, minha mãe sempre incentivou.

Fale sobre a primeira competição:
- Minha primeira competição foi campeonato infantil, onde fomos campeões com Roma.

Fale sobre o primeiro título:
- Minha primeira medalha veio nessa final, no campo do Flamenguinho, Roma x AVE, 2x1 pro Roma. Eu fiz um gol de cabeça inesquecível.

Gostaria de fazer algum agradecimento?
- Queria agradecer a Deus, ao José Mauro, meu tio Ronaldo "Gama" que hoje mora no céu e foi um exemplo pra mim.

Qual a maior alegria?
- Maior alegria é minha família e minha filha.

Qual a maior decepção ou frustração?
- Decepção maior é que depois de ganhar uns quilinhos a mais, ninguém me chama mais pra disputar o Amador.

Perspectivas para o futuro no esporte?
- Espero ainda poder jogar por muitos anos e depois continuar como técnico no amador de Varginha


João Paulo conta sua história no handebol


Nome: João Paulo Carvalho Cândido
Apelido: o paulada
Idade: 14 anos
Esporte: Handebol

Como começou a praticar? Foi em escolinha esportiva?
- Sim, através da escola onde estudo.
Grupo de amigos?
- Sim, através do meu grupo de amigos tenho grandes incentivos, brincadeiras e grandes conselhos
Incentivo dos pais?
- Sim, sãos os que mais me incentivam, ajudam em treino, conselhos... torcida aqui é muito grande
Quantos anos você tinha?
- 11 anos

Fale sobre a primeira competição que participou:
- A primeira competição minha foi também em um colégio em Varginha, onde nele vi o desejo maior de me aprofundar no Handebol, tomei paixão.

Fale sobre o primeiro título:
- Meu primeiro título foi o JEMG em 2017, uma conquista e tanto!

Gostaria de fazer algum agradecimento?
- Queria agradecer meu amigo Vinícius que me apresentou o handebol, e também minha técnica que ensinou tudo que eu sei até hoje.

Qual a maior alegria?
- Estar na quadra junto com os meus amigos e fazendo o que gosto.

Qual a maior decepção ou frustração?
- Ter perdido a final do Fest Hand de 2019 na categoria infantil

Perspectivas para o futuro no esporte?
- Me tornar um jogador profissional.

Pedro Lasmar conta sua história


Nome: Pedro Lasmar
Idade:16 anos
Esporte: Judô

Como começou a praticar?
- Meu pai me apresentou o esporte! Tinha mais ou menos uns 8 anos de idade, fui para a escolinha na Semel.

Fale sobre a primeira competição que participou:
- Foi um aprendizado para mim porque nunca tinha sentido adrenalina nenhuma.

Fale sobre a primeira vitória:
- Foi sensacional, pois vi que todo o esforço vale apena, porque foi a primeira medalha!

Gostaria de fazer algum agradecimento?
- Agradeço aos meus técnicos e meus familiares.

Qual a maior alegria?
- Saber que posso contar com minha família para tudo, pois eles me apoia 100%!

Perspectivas para o futuro no esporte?
- Muito treino e medalha de ouro!

Mensagem:
- No decorrer desses anos me tornei campeão estadual, campeão Brasileiro estudantil, campeão Pan-americano e também tenho vários outros títulos!

LINK

terça-feira, 31 de março de 2020

Graziani: de promessa ao pai ao respeito máximo


              Graziani tem o futebol na veia. Desde pequeno começou a praticar o esporte na fazenda Mascatinho, seu pai Juberto foi um dos pilares e por muito tempo presidente do Mascatinho Esporte Clube. Juberto infelizmente veio a falecer e Graziani com uma promessa para si mesmo, deu continuidade ao trabalho do pai. Sua família toda jogou na equipe, que começou com seus avós, passou pelos seus tios e seu pai, até chegar a ele e seus primos. Entre 2016-17 o time chegou a ficar 38 partidas invicto, comandados por Graziani, Reginho, Gererê, Alisson, Denis Zambeli e Pedro, a equipe era uma verdadeira sensação nos gramados rurais.
Após o grande sucesso, o Mascatinho entrou em sua primeira competição intermunicipal em Monsenhor Paulo, terminando em terceiro lugar. Dois anos depois o Mascatinho entrava nas competições regionais. Em 2019, mesmo sem Graziani, a equipe foi terceira colocada no Varginha Cup Regional.
Graziani começou como um rápido atacante ainda no aspirante do MECTT; com velocidade e vitalidade, logo passou para equipe titular. Os anos de sucesso continuaram, Graziani chegou ao antigo VEC. Tempos depois Graziani descobriu um novo talento, o de ser goleiro. E a partir daí, a fama veio por completo. Defesas incríveis e agilidade debaixo das traves, levaram o goleiro para grandes clubes de Varginha, como São Sebastião, Vargeana, Fertipar, dentre outros. 
Admirado pela postura ética e de companheirismo, Graziani ganhou além de títulos, um respeito gigante por todos, sejam eles de dentro ou fora do futebol.
Hoje devido ao serviço, Graziani reside em Rio Pomba, uma pequena cidade em MG. No entanto, ainda assim acompanha e torce para o futebol varginhense, craque dentro e fora de campo, Graziani ganhou respeito e continuou muito bem o legado de seu pai.

Texto: Alisson Marques

Brendinha fala de suas conquistas no atletismo


Nome: Brenda Letícia Candido
Apelido: Brendinha
Idade: 18 anos
Esporte: Atletismo

Como começou a praticar?
- Aos 13 anos, na escolinha de atletismo

Fale sobre a primeira competição que participou:
- Minha primeira competição foi os Jogos Escolares da Juventude, onde me consagrei campeã do 75m rasos e do 4x75m. Foi um momento importante e engraçado porque no meio da competição, às 18hrs a luz tinha acabado no estádio e mesmo assim a competição continuou.

Fale sobre a primeira vitória:
- A emoção era enorme, eu gritei muito. Eu não imaginaria que ganhasse porque tinha muitas atletas mais preparadas que eu, e com dois meses de treino eu já ganhei!!

Gostaria de fazer algum agradecimento?
- Agradecer todos os meus professores/treinadores que me apoiaram e ajudaram com meu crescimento pessoal e nas pistas. A minha paixão pelo esporte vem de profissionais que se dedicam pra dar o melhor pra tudo! Suas histórias e palavras, eu gravo sempre na minha memória e no coração. Obrigada por tudo!

Qual a maior alegria?
- Ver que pessoas se inspiram na gente.

Perspectivas para o futuro no esporte?
- Competir em outros países, melhorar meu rendimento ainda mais, ver minha equipe em outras competições fora da região e do Estado. Ver meus companheiros ganhando seu espaço, ser reconhecido pelo seu mérito!

Mensagem:
- Competição é fácil, o difícil está nos bastidores. Usain Bolt.

LINK

Royce Henrique conta sua história


Nome: Royce Henrique de Souza
Apelido: Jow
Idade: 26 anos

            Hoje, com 26 anos, Jow conta que já praticou diversas modalidades: futebol, natação, vôlei, basquete, futsal, handebol e atletismo.
Começou aos 11 anos, na Semel.
A primeira competição foi em um campeonato da cidade quando tinha 11 anos, e depois, aos 13, participou do Sul Mineiro com o time AVE.
- Consegui medalhas quando jogava campeonatos da cidade, mas as mais importantes foram em 2017, vice-campeão do Bairrão e do Amadorzão, e consegui o primeiro prêmio individual em Monsenhor Paulo, um troféu em 2015 como o melhor jogador da partida, - contou ao Jornal PODIUM.

Agradecimentos
- Queria agradecer pelas oportunidades que tive e agradecer ao AVE esporte que me ensinou a ser esse jogador de raça e competitivo.

Maior alegria:
- Primeiro é meu Filho e depois jogar futebol, que é minha vida.

Decepção:
- Quando tinha 17 anos estava em Curitiba na escolinha do Paraná Clube e deixei meu sonho por amor a uma mulher, a mãe do meu Filho.

Mensagem:
- Não desista do seu sonho, não jogue fora a oportunidade que você tem, pois com o tempo nada disso voltará, será tarde. Acredite em você sempre porque você é a única pessoa que pode mudar seu próprio caminho, você é a única pessoa que pode lutar pelos seus Sonhos.
E, à minha mãe Marcela Divina de Souza...Te amoo


segunda-feira, 30 de março de 2020

Dandan conta sua história


Nome: Daniel Farias
Apelido: DANDAN
Esporte: Futebol

Como começou a praticar?
- Comecei a gostar de futebol ainda muito novo, no campinho de terra próximo a minha casa, aos 9 anos e por incentivo do meu pai fui pra escolinha do ESTRELA F.C.
Na mesma época treinava também na antiga seleção de Varginha. Logo no primeiro campeonato ainda jogando pelo ESTRELA fui vice-campeão da cidade na categoria nascidos em 88/89, eu era mais novo que os demais, pois nasci em 1990 e mesmo assim consegui meu espaço na equipe.
Ainda aos 9 anos, passei a jogar no Cruzeirinho que era uma escola do Cruzeiro na nossa cidade e lá tive a melhor fase e as maiores alegrias e fiquei lá de 1999 a 2004.
Também joguei no Botafogo de Varginha e depois no AVE, onde disputamos campeonatos dentro e fora da cidade.

Clubes que já defendeu no Futebol Amador de Varginha:
- MILAN, MINASUL, REGISTANEA, SÃO BENTO, MATTOS CALÇADOS, SÃO SEBASTIÃO e atualmente FIGUEIRINHA.

Qual a maior decepção ou frustração?
- Não tenho decepções no esporte ,pois fui e sou muito feliz jogando futebol, que é o que mais amo fazer.

Perspectivas para o futuro:
- Espero ainda ser campeão amador em Varginha, pois é um título que ainda não tenho.

Mensagem:
- Gostaria de agradecer a todas as pessoas que amam e fazem um belo trabalho no futebol de Varginha, sou muito grato a todos os treinadores que tive e a toda dedicação que eles têm a cada dia, tanto pela Base quanto no futebol amador.


Gabriel Assis conta sua história no vôlei


Nome: Gabriel Assis
Apelido: Mutante
Idade: 16 anos
Esporte: Vôlei

Como começou a praticar?
- Jogando com os amigos

Fale sobre a primeira competição que participou:
- Foi incrível, toda aquela tensão, aquele frio na barriga, cobrança do técnico, medo de errar, insegurança de fazer qualquer coisa, agradeço por ter passado tudo isso, fez total diferença para mim.

Fale sobre a primeira vitória:
- Foi uma sensação incrível de satisfação e conquista.

Gostaria de fazer algum agradecimento?
Sim, gostaria de agradecer ao meu treinador (Wesley) e ao assistente técnico (Alex) pelas cobranças, dicas, críticas, acertos e principalmente pela oportunidade que me deram.

Qual a maior alegria?
- Terem me dado uma oportunidade e não terem desacreditado de mim

Qual a maior decepção ou frustração?
- Ter insegurança de fazer algo em um momento decisivo, em que eu poderia agir de forma diferente, mais não agi devido ao medo.

Perspectivas para o futuro no esporte?
- Depois que eu aperfeiçoar todos os fundamentos nos mínimos detalhes, quem sabe.... mas mesmo assim, não vou estar satisfeito.

Observações que desejar acrescentar:
- Se você quer algo, corre atrás! A única pessoa que pode impedir que você faça alguma coisa é você mesmo.

LINK

John Dalton conta um pouco de sua história


Nome: John Dalton Luiz de Oliveira
Apelido: Cenoura
Idade: 36 anos
Esporte que pratica, ou praticou: Futebol

Como começou a praticar?
- Incentivo dos amigos aos 13 anos

A primeira competição:
- Foi na Copa BH de Futebol Júnior em Belo Horizonte, com a equipe do Botafoguinho. Foi uma experiência incrível para mim.

O primeiro título:
- Meu primeiro título foi também no Botafoguinho, em cima da equipe do Paraná no Melão em Varginha na categoria júnior, o melhor time que já joguei.

Gostaria de fazer algum agradecimento?
- Agradeço ao meu amigo irmão Paulão, goleiro que me treinou e me ensinou tudo que hoje sei.

Qual sua maior alegria?
- Estar com a minha família

Frustração?
- Quando fiquei três anos sem jogar bola

Perspectivas para o futuro no esporte?
- Adquirir experiência para minha vida e passar o conhecimento para meus filhos. Enfim, ser feliz.


Lúcio conta sua história no handebol


Nome: Lúcio Expedito da Cruz Vicente
Apelido: Lucinho
Idade: 31 anos

Prático handebol de forma amadora, aos finais de semana, campeonatos que são realizados em feriados e tento conciliar para que não atrapalhe no horário de trabalho, sou Motorista Carreteiro.
            Dos 8 anos de idade aos 13 pratiquei futebol e futsal, de 13 até hoje só handebol.
Comecei a praticar o handebol por incentivo de amigos e da minha mãe Dona Dulce, na Semel com o Professor João Carlos onde na época eu tinha 13 anos.
Minha primeira competição foi a Liga Sul Minas, na categoria Infantil onde a equipe foi campeã no ano de 2003, dali em diante eu e meus companheiros de equipe fomos adquirindo condicionamento físico, conhecimento tático, mais títulos vieram e importantes colocações em campeonatos tradicionais aqui em Minas Gerais, como Jimi, Joju, Campeonatos Mineiros na categoria Juvenil e Júnior, Lidarp e Liga Minas.
Agradeço a todos os professores e amigos de equipe que estão comigo durante essa caminhada no handebol que se completam 18 anos.
Fiz grandes amizades dentro e fora das quadras, apesar de não ser um atleta profissional fico feliz por mim e meus companheiros, que hoje somos cidadãos de bem, pais e mães de família e mais feliz ainda pelos que se tornaram atletas profissionais, das várias modalidades esportivas que iniciaram suas caminhadas da mesma forma que eu, ali com os professores da Semel.
E não posso deixar de agradecer ao meu filho Giovani Silveira Cruz, de 10 anos sempre junto nas competições que participo, tento passar bons exemplos pra ele, pra ser um cidadão de bem no futuro, sendo atleta ou não.

LINK

Conheça a história do Renning

Nome: Renning Moura
Apelido: Mancini
Idade: 32 anos

Esporte:
- Futsal profissional e agora jogando campo amador

Como começou?
- Nas quadras dos bairros Pinheiros, São Geraldo e Corcetti. Joguei na escolinha do Evadson, joguei com turma da escola e dos bairros. Meu pai sempre me incentivou desde os meus 4 anos.

A primeira competição:
- Minha primeira competição foi no ginásio do Marcão, no time do João Ferreira. Primeiro campeonato e já fui logo campeão, sendo o melhor goleiro da competição naquela época, experiência incrível.

Como se tornou profissional?
- Me destacando nos campeonatos aqui da região, como Jimi e Sul Mineiro, tive a oportunidade de ir pra Santa Catarina graças ao Evadson Rosa e ao Atílio Dias, de Campanha.

Qual a primeira equipe profissional?
- Foi a Unisul (Santa Catarina) time da Liga Nacional de Futsal

Quais as equipes que jogou?
Unisul (Santa Catarina)
Atlético mineiro (MG)
Álvares vitória (ES)
Seleção Brasileira Universitária (CBDU)
Politech (Rússia)
Qatar Sport Club (Qatar)
Zheijiang Dragon Futsal Club (China)
Gansu Mass Ray (China)
Universidade de Vila Velha 2008

Títulos conquistados:
Campeão Mineiro 2006 e 2007 (Estadual mineiro)
Olimpíadas de Campanha 2006
Campeão Capixaba (Estadual Espírito Santo) 2008 e 2009
Copa Espirito Santo 2008 e 2009
Campeão do JUBS (Jogos Universitários Brasileiros) 2008
Campeão da Copa Alterosa de Futsal (Lavras 2009)
Campeão da Copa São Petesburgo (Rússia 2010)

Agradecimento:
- Gostaria de agradecer a todos os meus amigos, meus pais e familiares, amigos, aos atletas que jogaram comigo e aos que me enfrentaram também. Ao professor Evadson por ter me incentivado nesse esporte (futsal) que graças a toda torcida e muito empenho de minha parte, realizei meu sonho de ser um atleta profissional de futsal durante 11 anos.

Qual a maior alegria?
- Ver meu pai feliz em me ver jogando, já que depois de tantos anos jogando fora do país, hoje ele consegue acompanhar seu filho jogando, com a certeza que eu consegui chegar onde sonhei.

Frustração?
- Não tenho!! Tudo na vida é um aprendizado.

Perspectivas para o futuro no esporte?
- Melhorar da minha lesão e poder jogar em alto nível, igual eu joguei a minha vida inteira.

Mensagem:
- Que se você trabalhar duro e se doar tudo o que tem, você chegará ao seu objetivo mais cedo ou mais tarde. Não importa se é agora ou amanhã. Uma hora chega! Basta acreditar em você e nunca desistir.



Angélica fala da importância do esporte na sua história

Nome: Angélica Leal de Almeida
Apelido: Sarada
Idade: 36 anos
Esporte: Basquete

Como começou a praticar:
- Desde criança passei por escolinhas de diversos esportes e comecei a praticar basquete para poder viajar. Na época eu tinha 12 anos e comecei na escolinha no VTC com a Silvia Amorim de Carvalho. Meus pais sempre me incentivaram no Basquete.

A primeira competição:
- A primeira competição que participei foi o Jogos Escolares onde fomos campeãs e tivemos a oportunidade de ir para a fase estadual e logo depois na Fase Nacional, nas Olimpíadas escolares.

O primeiro título:
- Vim de uma família muito carente financeiramente, então o primeiro título, que foi o Campeonato Mineiro de Basquete, abriu portas para que eu pudesse viajar, conhecer outros lugares, outros costumes e cultura. Com o basquete conheci o Brasil inteiro e me tornei com certeza uma pessoa muito melhor. Fui por várias vezes atleta da seleção mineira de basquete em diversas categorias.

Agradecimento:
- Gostaria de agradecer primeiramente a Deus e depois a Silvia Amorim de Carvalho, Alex Peloso Figueiredo que sempre me ajudaram em todas as situações difíceis que passava na época de atleta.

A maior alegria:
- A minha maior alegria é saber que me tornei quem sou hoje, uma mulher negra vitoriosa com curso superior, vencedora. E o Basquete me proporcionou tudo isso, pois foi através dele que tive uma bolsa de estudos que garantiu minha faculdade de Educação Física, onde sou muito, muito feliz.

Frustração?
- Minha maior frustração foi não ter conseguido entrar para algum time e jogar profissionalmente, tendo oportunidade de ir para seleção brasileira.

Perspectivas para o futuro no esporte?
- Hoje em dia, trabalho na área escolar e com natação onde indico vários alunos para diversos esportes na cidade. O esporte em Varginha precisa ser mais incentivado, precisamos de mais projetos sociais. Varginha sempre foi muito forte em Minas Gerais e precisa ter o verdadeiro destaque novamente.

Mensagem:
- Gostaria de ver o esporte de nossa querida Varginha devidamente valorizado e prestigiado, como antigamente. Gosto muito do futebol, mas acredito que temos muitos outros esportes que precisam de apoio pelo potencial que tem.

LINK